sábado, 3 de novembro de 2012

CARROS NA GARAGEM


Além de suspender o abastecimento, os carros foram retirados de circulação de vez, com estacionamento nas garagens e retenção das chaves. Acabou o desfile de carros nas ruas. Os comissionados que tinham carro e combustível a vontade, terão que circular com seus carros particulares.
Tudo em defesa do déficit, que ainda tem gente que diz que ele não existe. Se não existe por que tanta economia????
FONTE: O Jornal

O LEITE AZEDOU


O leite distribuído por programa social em Capão Bonito teve reclamação de que azedou. Esta denúncia foi levada para a Câmara Municipal, através do vereador Luciano Baixinho (PSD).
O vereador Célio Cantor (PR) entrou na discussão, tentou explicar que o leite somente pode ser fervido em partes, pois tem uma substância para enriquecê-lo (uma vitamina, citou). Existe uma orientação para proceder dessa forma. “Se ferver todo o conteúdo, nesse calor ele pode azedar”, justificou.
Baixinho retrucou, dizendo que foi num dia específico que o leite estragou. O assunto rendeu. Foi longe...
Até mesmo a discussão ficou ‘azeda’ entre os vereadores. No final, ficou de ser levantada a denúncia, com solicitação de informações se não está havendo descuido no armazenamento desse leite, distribuído pelo governo estadual.
Tem que prevenir mesmo, depois não adianta reclamar o leite derramado.
Menos leite
Ainda sobre o assunto, o vereador Luciano Baixinho (PSD), na sessão de segunda-feira (29), denunciou que ao que parece houve diminuição na quantidade de litros por criança. “Antes das eleições eram 15 litros/mês, agora está sendo 12 por mês. Precisamos verificar se isto está realmente acontecendo. Não estou afirmando, mas comentando uma informação passada por populares”, declarou o vereador.
“Em janeiro, novo governo”
Um funcionário comissionado (contratado em cargo de confiança), foi chamado e comunicado que estaria dispensado a partir daquela data. Isto após a semana da eleição. Ele teria perguntado: “Então em janeiro de 2013, posso me apresentar novamente?”. A resposta foi reta e direta: “Calma lá, em janeiro será um novo governo”.
Até onde era interessante, o moço ficou. Passou o tempo. Agora que espere e torça para voltar.
Briga por secretarias
A dança de secretários municipais é o assunto do momento nos corredores da prefeitura. A aposta corre solta: “quem sai, quem fica”. Parece que mudanças drásticas acontecerão. O grupo mais ligado ao prefeito tem desejo de indicar nomes mais próximos. “Vamo-que-Vamo ver que terá força para continuar”.
“Os loucos por política” lançam os ‘prefeituráveis’
Existem pessoas que são viciadas e até mesmo tem loucura pelo assunto “política”. Nem bem abaixou a poeira da eleição municipal/2012, já estão pensando nas eleições de 2016. Começaram a lançar nomes que poderão ser candidatos a prefeito nas próximas eleições municipais.
Acreditam eles que haverá muitos concorrentes ou pretendentes. Já escutamos várias sugestões: Paulinho Cecap, Marco Citadini, Matheus Francatto, Joaquim Junior, Decio da Batata, Mário Milani, Tamura, Dina Citadini e muitos outros...
Tempos de “fartura”
Depois das eleições o povo tem reclamado da suspensão de vários serviços e programas por parte da prefeitura. São medidas drásticas para conter despesas e tentar diminuir o enorme déficit registrado pelo TCE (Tribunal de Contas), na prefeitura de Capão Bonito.
Agora a ordem é cortar: desde sulfite, cafezinho, combustível, energia, água, telefone, visitas sociais, manutenção de carros e equipamentos etc etc etc
Tempo de fartura: está “fartando” tudo. Agora o povo está sendo tratado a pão e água. Diferente de dias passados... “Bom, o passado já passou”, como diria um integrante da base política.
Demissões e demissões e demissões
As dispensas na prefeitura não param. Os integrantes de cargos comissionados, os contratados de confiança, sem concurso, são os mais atingidos. Já foram dezenas de demissões. Outras estão ocorrendo. Além de muitos que foram colocados de férias. “Mais efeitos do déficit enorme da municipalidade”.

FONTE: O Jornal

FRUSTAÇÃO


Costureiras comparecem na Câmara e requerimento não foi apresentado
As costureiras que fazem parte da associação dessa classe profissional, estiveram na última sessão da Câmara Municipal, na segunda-feira (29), mas não obtiveram a aprovação de um requerimento de apoio para manutenção de seus trabalhos em sua sede, na Vila Aparecida.
Os vereadores teriam se comprometido a discutir a aprovação de um documento a ser enviado ao prefeito, solicitando que a associação continue com seu prédio e estrutura e não aconteça a rescisão do convênio, conforme é o desejo da chefia do executivo.
O vereador Braz Lucchi (PT), foi o primeiro a se manifestar, comentando que estranhou a falta da apresentação de um requerimento em favor das costureiras. “Na semana passada ficou acordado que teríamos um pedido, assinado por todos, solicitando a suspensão da rescisão do convênio com essa associação. Mas nada disso ocorreu, acho muito estranho”, declarou.
O presidente da Câmara, vereador Zé Maria (PR), justificou que não era culpado por essa ação e que os vereadores conversaram novamente e decidiram discutir o assunto numa próxima sessão.
Já o vereador Gerson Hussar (PMDB), pediu que fosse registrado em ata, que na próxima semana os vereadores, em conjunto, proporiam um documento pedindo a manutenção das máquinas de costura e do prédio da associação. “Afinal está tudo em ordem, os documentos e a atividade das costureiras, comprovam que existe um trabalho, que elas estão produzindo e gerando emprego e renda no município”, explicou Hussar.
Líder do governo se manifesta
O vereador Alcides Sonvenso (PTB), representante do executivo na Câmara Municipal ao se manifestar, mostrou que as coisas não serão tão fáceis para a associação. “Precisamos de toda documentação, cópia do estatuto, cópia das atas, cópia do Imposto de Renda, relatório de produção no último ano, nome das associadas, informação para onde está indo a produção, informação de renda de cada costureira, ata da eleição da associação e outras informações, para avaliarmos se a associação deverá ter a continuidade do convênio”.
Segundo uma integrante da associação, se houvesse consenso, não seria tão demorada a aprovação desse requerimento de apoio. O assunto será discutido na semana seguinte. O tema foi apresentado pelo vereador Luciano Baixinho (PSD), que na primeira ação, solicitou informações do prefeito, indagando qual a razão da tomada de decisão de romper o convênio com essa associação que está em franca atividade na cidade.

FONTE: O Jornal