sexta-feira, 20 de janeiro de 2012

“O BRADO RETUMBANTE”

A máxima televisiva “esta é uma obra de ficção e qualquer semelhança, fatos ou acontecimentos NÃO terá sido mera coincidência”

Enquanto o país está anestesiado discutindo se houve ou não estupro no famigerado BBB e poucas vozes discordantes surgem para criticar a programação da Rede Globo, coisas boas na TV vão sendo ignoradas. Não vou defender nem atacar a "Vênus platinada", mas a mesma emissora que produz programação de "quinta" é capaz de nos levar a uma reflexão com um programa de qualidade. Quase ninguém comentou ontem (terça-feira (17/01/2012) a respeito da estréia da minissérie global "O Brado Retumbante". Não vi qualquer citação no trading topics do Twitter, diferente das futilidades (ex. A Luiza que está no Canadá). A obra de ficção faz questão de se apresentar como tal, mas é baseada em fatos reais. A obra retrata com riqueza de detalhes como são os bastidores do poder ao relatar a história do político honesto e mulherengo que chega à Presidência da República por acaso e ao tentar barrar os corruptos enfrenta uma crise política. A minissérie deveria ter uma repercussão bem maior pela relevância e trabalho de educação política que proporciona ao país. No entanto, a ignorância do brasileiro retratada com mestria pelo ministro corrupto interpretado por José Wilker numa cena em que ameaça de inviabilizar o governo caso o presidente faça uma faxina ética. Aquele diálogo é um aviso da Globo à nação: enquanto formos ignorantes teremos BBB. 

FICCÇÃO SOCIOLÓGICA
A minissérie não tem qualquer preocupação com a questão jurídica. Um presidente da Câmara assume a presidência do país na segunda metade de um governo de forma interina e fica no cargo até o fim da gestão. Na vida real, numa situação dessas, ele fica no cargo até que sejam realizadas eleições indiretas. A sacada do autor da minissérie, Euclydes Marinho, foi mostrar que alguém que combate a corrupção no Brasil só chega ao poder por acaso. Isso não quer dizer que todo governante brasileiro é desonesto, mas que para ter apoio político ao assumir o Poder Executivo ele precisa acomodar interesses (muitos deles escusos). Por isso recomendo aos leitores que acompanhem "O Brado Retumbante" para entender os bastidores da política aqui e alhures.

ISTO É BRASIL
No Brasil, se um jogador de futebol chega atrasado ou falta a um treino o assunto se torna motivo de grande polêmica. Esta semana no meio esportivo só se falou da ausência de Adriano a um treino no Corinthians. Nunca se fala no mesmo nível de cobranças quando um político não aparece ao trabalho. Cobramos dos jogadores de futebol o que deveríamos cobrar dos políticos. Talvez seja por isso que somos 5 vezes campeões do mundo com a bola nos pés e recordistas no campo da corrupção.